O que é ginecomastia?

ginecomastia

Há quem pense que as mudanças no corpo só afetem as mulheres. No entanto, os homens também podem sofrer alterações hormonais que impactam sua autoestima. Uma delas é a ginecomastia.

A ginecomastia acontece quando as glândulas mamárias masculinas apresentam um tamanho fora do normal, causando uma aparência que deixa os homens desconfortáveis para participar de eventos sociais ou para ficar sem camisa em público — como na praia, por exemplo.

Por que a ginecomastia acontece?

Um dos principais fatores que desencadeiam este quadro é a alteração fisiológica, que pode ocorrer em homens de qualquer idade. Inclusive quando são bebês.

Quando os bebês estão no útero da mãe ocorre uma alta liberação de estrogênio (hormônio feminino) que pode permanecer no organismo do filho mesmo após o nascimento. Chamado de ginecomastia transitória, a condição costuma desaparecer em até 3 semanas de vida do bebê.

O segundo momento na vida do homem no qual a condição pode aparecer é durante a adolescência. O processo de desenvolvimento costuma ser o mesmo para meninos e meninas, porém, ao entrar na puberdade o organismo dos meninos passa a produzir mais hormônios masculinos. Por conta disso, ocorre a ginecomastia puberal.

O quadro aparece quando o paciente está na faixa dos 10 a 14 anos. Diferentemente do caso dos bebês, esse tipo de aumento das glândulas mamárias leva mais tempo para regredir. No geral, os meninos precisam de 6 meses a 2 anos.

Vale a pena ressaltar que é normal ocorrer o crescimento das glândulas mamárias masculinas durante a adolescência. No entanto, quando a regressão não acontece é sinal que existe outro fator contribuindo para o aumento das mamas. Logo, é essencial buscar auxílio médico para descobrir mais detalhes sobre o caso.

Durante a fase adulta o homem também pode ser acometido pela ginecomastia. Ela acontece sobretudo quando o paciente consome bebida alcoólica em excesso ou é sedentário, causando a obesidade. Os homens idosos também estão propensos à condição por conta da queda na produção de testosterona.

Quais são as causas da ginecomastia?

Além do fator fisiológico, é possível elencar outras causas para a ginecomastia. As principais são:

  • Doenças da hipófise;
  • Doenças no fígado (hepáticas);
  • Uso de anabolizantes ou de antidepressivos;
  • Uso em excesso de medicamentos com corticoides entre outras substâncias.

Qual é o tratamento da ginecomastia?

Antes de prescrever um tratamento o médico fará o diagnóstico para descobrir qual é o tipo e o grau de ginecomastia que acomete o paciente. A condição pode ser dividida em unilateral (em uma mama) ou bilateral (nas duas mamas) e classificada da seguinte maneira:

  • Grau I: pequeno e com pouca pele;
  • Grau II: moderado e com pele em excesso;
  • Grau III: grande e com bastante pele em excesso.

Após descobrir qual é a causa primária do quadro, o médico indicará o tratamento mais adequado. Em alguns casos mais leves é possível fazer um tratamento medicamentoso, porém, quando essa abordagem não oferece os resultados esperados é necessário fazer uma intervenção cirúrgica.

O cirurgião plástico pode optar por uma mamoplastia redutora, técnica mais utilizada nesses casos, ou fazer uma lipoaspiração caso o quadro tenha surgido devido ao excesso de gordura. De qualquer maneira, a cicatriz costuma ficar bem discreta e o paciente não precisa de internação hospitalar.

A ginecomastia é um problema que traz muita dor de cabeça para o homem. Contudo, com a indicação médica correta, fica mais fácil recuperar a autoestima e a autoconfiança com um procedimento cirúrgico. Para isso, é fundamental escolher um cirurgião plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) com experiência neste tipo de tratamento e qualidade para oferecer o melhor resultado possível.

Recommended Posts